A NATO e o Portugal de 1949

Publicado em: O Gaiense, 28 de Março de 2009

Faz no próximo dia 4 de Abril 60 anos que, em Washington, foi fundada a Organização do Tratado do Atlântico Norte - OTAN ou NATO. Portugal foi um dos membros fundadores.

1949 foi um ano importante para o mundo e também para o nosso país. Começou com eleições presidenciais, realizadas a 13 de Fevereiro, a que concorreu o general Norton de Matos, em oposição ao candidato do regime. No dia anterior à eleição, o general anunciou a retirada da sua candidatura, por falta de condições de liberdade. Muitos dos seus apoiantes foram presos. As eleições foram uma farsa, num ambiente de repressão e de ditadura de partido único, sem um mínimo de liberdades cívicas, onde nem sequer o recenseamento era limpo e estava muito longe de ser universal, só tendo podido votar 17% da população, devidamente seleccionada. Logo a seguir, em 25 de Março, Cunhal e outros dirigentes do PCP são presos e depois torturados. O campo de concentração do Tarrafal continuava a funcionar em pleno. Mas a imprensa legal, submetida a uma censura asfixiante, limitava-se a enaltecer o génio do ditador. Uns dias mais tarde, seria a cimeira de Washington. O ano começava agitado.

Tal era o Portugal de 1949, um dos dignos criadores da NATO, em cujo Tratado constitutivo os países fundadores se afirmavam "Decididos a salvaguardar a liberdade dos seus povos, a sua herança comum e a sua civilização, fundadas nos princípios da democracia, das liberdades individuais e do respeito pelo direito".

Como diz o povo: quem torto nasce, tarde ou nunca se endireita. Neste caso, pelos vistos, é o "nunca" que se aplica.

1 comentário:

filomeno2006 disse...

Portugal....¿Aliado de la NATO más fiable que España?